Os Samaritanos

Muitos de nós ao lermos a Bíblia questionamos sobre quem são certos povos nos dias de hoje, um deles que é descrito tanto no Novo Testamento quanto no Velho Testamento, são os Samaritanos. Neste artigo temos o prazer de compartilhar aqui o que conhecemos sobre esta cultura milenar e sua sobrevivência em um Oriente Médio tão hostil as minorias.

A primeira vez que havia lido sobre os Samaritanos na realidade moderna foi num artigo especial publicado pela National Geographic com o título The Last Israelitish Blood Sacrifice: How the Vanishing Samaritans Celebrate the Passover on Sacred Mount Gerizim,  National Geographic Magazine, January 01, 1920

 

Foto publicada na National Geographic Magazine em 1920

No artigo o autor contava o seu testemunho em uma visita ao local naquele ano, onde ele pensava que poderia ser a última páscoa, afinal de contas, a comunidade dos samaritanos estava em extinção, aquela era sem dúvida a última geração até que algo mudou o destino de toda a comunidade.

Entrada de Museu Samaritano sobre o Monte Gerezim

Alertados pelo perigo de extinção, os ancião e sacerdotes da comunidade decidiram por mudar a rigidez com que vinham definindo quem seria samaritano, atém então, teria que ser o resultado de casamento entre um homem e uma mulher considerado samaritanos. A decisão foi de que somente mulheres que fossem judeus e aceitarem sobre si a fé judaica samaritana e viver nos mesmos padrões, permitiria que um samaritano se casasse com ela.

Entrada do Comite samaritano no Monte Gerizim

Foi ai então que um primeiro jovem conquistou o coração de uma jovem judia russa que aceitou a proposta de se juntar ao povo samaritano e então a comunidade voltou a crescer. Nos dias de hoje os samaritanos já estão fora do perigo de extinção, mas a comunidade ainda é uma das menores na Terra de Israel. Os samaritanos foram perseguidos por quase todas as comunidades que viveram na região. Eram separados e hostilizados pelos judeus há 2000 anos atrás, perseguidos pelos romanos, pelos cristãos bizantinos, pelos árabes, pelos persas, pelos sírios, pelos beduínos e durante o governo otomano praticamente foram instintos. Os árabes do período otomano que viviam na região praticamente não deu paz a esta comunidade.

Sacerdotes Samaritanos rezando no Monte Gerizim em 1900

Durante o mandato britânico começou a haver tolerância para este povo, mesmo assim, eles foram expulsos da região do vale, a região de Siquém, e só tiveram paz com a fundação do Moderno Estado de Israel que os protege em termos de segurança. As relações dos samaritanos com judeus israelenses e palestos muçulmanos e cristãos em áreas vizinhas foram muito tribuladas.

Em 1954, o presidente israelense Yitzhak Ben-Zvi promoveu o estabelecimento da comunidade de samaritanos em Holon, Israel. Os samaritanos que vivem em Israel e na Cisjordânia gozam de cidadania israelense e são protegidos hoje pelo país. Os samaritanos nos territórios governados pela Autoridade Palestina são uma minoria no meio de uma maioria muçulmana. Eles tinham um lugar reservado no Conselho Legislativo Palestino na eleição de 1996, mas eles não têm mais, não existe democracia palestina.

Samaritanos cultuando Adonai na Páscoa Samaritana

Um dos maiores problemas que a comunidade enfrenta hoje é a questão da continuidade. Com uma população tão pequena, dividida em apenas quatro famílias (Cohen, Tsedakah, Danafi e Marhiv, uma quinta família que morreu no século XX) e uma recusa geral de aceitar convertidos, tem havido uma história de distúrbios genéticos dentro do grupo devido ao pequeno número de genes.

Para combater isso, a comunidade samaritana concordou recentemente que homens da comunidade se casam com mulheres não Samaritanas (principalmente judias israelitas), desde que as mulheres concordem em seguir as práticas religiosas samaritanas.

Gravura de Pastor Samaritano em frente ao túmulo de Hamor, pai de Siquém em 1884

Há um período experimental de seis meses antes de ingressar oficialmente na comunidade Samaritana para ver se este é um compromisso que a mulher gostaria de tomar. Isso muitas vezes representa um problema para as mulheres, que normalmente não estão ansiosas para adotar a interpretação estrita das leis bíblicas (Levitical) em relação à menstruação, pelo qual devem viver em uma habitação separada durante seus períodos e após o parto.

Houve alguns exemplos de casamentos intermarinos. Além disso, todos os casamentos dentro da comunidade samaritana são aprovados pela primeira vez por um geneticista no hospital Tel HaShomer, a fim de evitar a propagação de distúrbios genéticos. Em reuniões organizadas por “agências internacionais de casamento”, um pequeno número de mulheres ucranianas recentemente foram autorizadas a se casar com a comunidade em um esforço para expandir o número de genes.

A comunidade samaritana em Israel também enfrenta desafios demográficos à medida que os jovens deixam a comunidade e se convertem ao judaísmo. Um exemplo notável é a apresentadora de televisão israelense Sofi Tsedaka, que fez um documentário sobre ela deixando a comunidade aos 18 anos. O chefe da comunidade é o Sumo Sacerdote Samaritano, que é selecionado por idade da família sacerdotal e reside no Monte Gerizim. O atual sumo sacerdote é Aabed-El ben Asher ben Matzliach, que assumiu o cargo em 2013.

Em que creem os Samaritanos?

A religião samaritana baseia-se em alguns dos mesmos livros utilizados como base do judaísmo, mas difere do último. As obras religiosas samaritanas incluem a versão samaritana da Torá, a Memar Markah, a liturgia samaritana e os códigos da lei samaritana e comentários bíblicos. Muitos afirmam que os samaritanos parecem ter um texto da Torá tão antigo quanto o Texto Massorético, mas esta informação carece de provas. Os estudiosos têm várias teorias sobre as relações reais entre esses três textos.

  • Há um único Deus, YHWH, o mesmo Deus reconhecido pelos profetas hebreus e os cristãos
  • A Torá foi dada por Deus a Moisés.
  • O monte Gerizim, e não Jerusalém, é o verdadeiro santuário escolhido pelo Deus de Israel.
  • Muitos samaritanos acreditam que, no final dos dias, os mortos serão ressuscitados pelo Taheb, um restaurador (possivelmente um profeta, alguns dizem Moisés).
  • Creem na Ressurreição e Paraíso (céu).
  • Os sacerdotes são os intérpretes da lei e os guardiões da tradição. Os estudiosos são secundários ao sacerdócio.
  • A autoridade das seções pós-Torah do Tanakh e as obras rabínicas judaicas clássicas (o Talmud, que compreende a Mishná e a Gemara) são rejeitada.
  • Eles têm uma versão significativamente diferente dos Dez Mandamentos (por exemplo, seu 10º mandamento é sobre a santidade do Monte Gerizim).
  • Os samaritanos mantiveram uma ramificação do antigo manuscrito hebraico, um Sumo Sacerdócio, o abate e o comer de cordeiros na véspera da Páscoa e a celebração do início do primeiro mês em torno da primavera como o Ano Novo.
  • Yom Teru`ah (o nome bíblico para “Rosh Hashaná”), no início de Tishrei, não é considerado um Ano Novo como está no judaísmo rabínico.
  • O Pentateuco Samaritano difere do Texto Masorético Judaico também. Algumas diferenças são doutrinais: por exemplo, a Torá Samaritana afirma explicitamente que o Monte Gerizim é “o lugar que Deus escolheu” para estabelecer Seu nome, em oposição à Torá judaica que se refere ao “lugar que Deus escolhe”. Outras diferenças são menores e parecem mais ou menos acidentais.

A Rocha Sagrada dos Samaritanos no Monte Gerizim

Os Samaritanos nos dias de hoje

A quase extinção dos Samaritanos se deu principalmente porque a sua grande maioria que vivia na região de Siquém(Nablus) eram oprimidos pelos muçulmanos e muitos deles foram forçados a se converter ao islamismo, os que se recusavam eram maltratados e mortos.

Além disso, os Samaritanos durante diversos períodos da história foram proibidos de viverem e visitarem o Monte Gerizim que é parte de sua fé religiosa. Durante o período cristão-bizantino praticamente foram extintos, pois os o império bizantino perseguia tanto os judeus quanto os samaritanos. Aos judeus o império proibia de viverem em Jerusalém, e aos samaritanos, proibiam de viver no Monte Gerizim.

Após a intervenção do moderno Estado de Israel e seu segundo presidente Yitzhak Ben-Zvi, os samaritanos vem gozando de um novo renascimento e florescimento. Hoje, a grande maioria deles vivem na cidade de Holon, junto a Tel Aviv e fazem parte do quebra-cabeças cultural de Israel. Além disso, eles receberam o direito pelo Estado de Israel de re-construirem sua comunidade sobre o Monte Gerizim. O Parque Nacional do Monte Gerizim foi criado pela Autoridade de Parque e Jardins Nacionais de Israel, o que ajuda muito a preservar as ruínas sacarinas sobre o Monte Gerizim.

Se dúvida alguma, esta é uma das comunidades e histórias mais interessantes entre as muitas culturas e etnias existentes no Estado de Israel.

 

4 replies to Os Samaritanos

  1. Gostei muito do conteúdo publicado sobre os samaritanos. Cheguei a pensar que eram os atuais palestinos. Quero compartilhar com meus amigos. Muito grato!

  2. Gostei muito dessa matéria . Até pensava que essa comunidade havia sido extinta

  3. Gostei muito dessa informaçao

  4. Shalom. Gostei mas tenho muitas dúvidas. Vou colocar direto sem pesquisar. Os samaritanos é o povo que foi separado por não ser judeu quando Esdras ou Neemias leu a Lei ao povo e mandou despedir os não judeus. Outros já até ouvi falaram que alguns fazem parte das tribos do Norte. Um bom assunto seria falar sobre as 10 tribos do Norte – o que aconteceu. Onde estão. Obrigada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *